Escola Montessoriana para bebês: como funciona

Tempo de leitura: 10 minutos

 

JJ na escolinha montessoriana.Hoje vou contar como foi escolher uma escola para meu bebê e porque escolhi uma escola montessoriana. Escolher uma creche ou uma escolinha para seu bebê nunca vai ser tarefa fácil. E não adianta! Essa hora vai chegar!

Para umas mães, a escolha começa cedo, pois ao final da licença maternidade, é chegada a hora de deixar o bebê com pessoas que você nunca viu na vida. Só de imaginar a cena já dá calafrios. Pelo menos para mim. Outras mães contam com ajuda de parentes ou babá e conseguem adiar esse momento o máximo que podem.

Quarto montessoriano do JJ

Mas por que que temos tanto medo assim? Vou falar por mim. Eu sempre pensava que poderia ser egoísmo meu, deixar meu bebê na escolinha sem ter voltado a trabalhar fora.

Por mais que a rotina diária e integral de ser mãe fosse cansativa, não conseguia pensar que ter umas horas livres fosse algo justificável. Portanto, eu contava com ajuda de uma ajudante do lar.

Ela ficava com meu filho quando eu precisava me ausentar para resolver algo que eu não pudesse levar meu bebê. Por vezes, eu ficava receosa e aflita, pois é muito difícil confiar em alguém que não seja nossa mãe ou marido. Mas eu não tenho família por perto e essa era a única opção viável.

Dia da mudança. De São Carlos para São Paulo, SP.

Quando o JJ tinha 11 meses, mudei-me de cidade. Saí do interior de São Paulo e voltei para a Capital, onde eu morava antes de ter engravidado e onde eu mantia minha vida profissional.

Eu já sabia que voltaria a trabalhar, pois amo o que faço e trabalho por conta própria. Eu apenas havia me dado um tempo para viver a maternidade na sua maior plenitude, mas eu nunca planejei não trabalhar mais.

Eu só deixei o coração falar mais alto e o tempo agir. Assim que voltei para a cidade dos negócios, pintaram muitos orçamentos sem eu ao menos ter divulgado que estava de volta. Isso foi o maior indicativo (de Deus) de que eu estava pronta para voltar a trabalhar.

Foi então que comecei a procurar uma escolinha particular para que o JJ pudesse ficar meio período, assim eu conseguiria me organizar e ir voltando aos poucos.

Por que Montessori?

Quando eu ainda estava grávida do JJ, havia decidido que o quarto dele seria no estilo montessoriano. E como decidi isso? Meu primeiro contato com o método foi ao entrar no quarto montessoriano da minha primeira sobrinha. Lá não havia berço, pois este é um limitador de movimento. A primeira impressão foi estranha, pois no lugar havia um colchão. Eu não me senti confortável ao imaginar um bebê dormindo tão pertinho do chão. Também não gostei esteticamente. Achei feio mesmo.

Quarto montessoriano do JJ.
Quarto montessoriano. Tema ursinho aviador.

Mas quando soube do que se tratava a proposta, passei a ver a coisa de um jeito diferente, pois dessa forma, a criança pode descer da cama quando quiser, para explorar o seu quarto. E assim aconteceu com o JJ. Aos sete meses, ele já engatinhava do futon à porta e ficava em pé, batendo e chamando por nós.

 

Método Montessori 

IMG_4516
Piso vinílico para quarto de bebê

Método Montessori é o nome que se dá ao conjunto de teorias, práticas e materiais didáticos criado ou idealizado inicialmente pela pedagoga italiana, Maria Montessori. De acordo com sua criadora, o ponto mais importante do método é, não tanto seu material ou sua prática, mas a possibilidade criada pela utilização dele de se libertar a verdadeira natureza do indivíduo, para que esta possa ser observada, compreendida, e para que a educação se desenvolva com base na evolução da criança, e não o contrário.

Quarto montessoriano de bebê
O espelho ajuda o bebê a se conhecer

Na prática, o ponto de vista da criança deve ser totalmente levado em consideração. Para iniciar a montagem de um quarto infantil, por exemplo, utilizando a filosofia de Maria de Montessori, o espaço deve ser especialmente preparado para que a criança se movimente livremente e com segurança. Antes da criança andar, por exemplo, camas baixas, chão macio, espelhos e móbiles ajudam o bebê a se movimentar e a compreender o espaço que o cerca, além de se familiarizar com o próprio corpo.
IMG_6970É reconhecido que a criança se desenvolve mais completamente (mental, emocional e fisicamente) quando tem liberdade para mover-se e explorar o ambiente. Assim, este deve ser pensado para a criança e não apenas para facilitar as tarefas dos adulto

Para Maria Montessori, as crianças captam através dos sentidos as impressões do mundo e vão arquivando em seu cérebro. Quando a educação é organizada levando em conta os períodos sensíveis de desenvolvimento, elas aprendem sem esforço, com paixão e entusiasmos contínuos. Esses períodos sensíveis estão relacionados com os sentidos, o movimento, a linguagem, a matemática, o social e o afeto.

Como funciona uma escola montessoriana

O método Montessori tem sido utilizado em escolas por todo o mundo, desde o berçário até o ensino médio. Além disso, aplica-se montessori em escolas especiais, clínicas de psicopedagogia e lares mundo afora.

Príncipe George em seu primeiro dia de aula numa escola montessoriana.
Príncipe George em seu primeiro dia de aula numa escola montessoriana.

Aos dois anos de idade, o filho mais velho do príncipe William e de Kate Middleton foi para uma escola montessoriana. O ensino montessoriano está se tornando uma tradição recente na Família Real britânica. George seguirá os passos do pai, príncipe William, e do tio, príncipe Harry, que também tiveram seus primeiros anos escolares em escolas inspiradas pelo método. A própria princesa Diana trabalhou em uma creche que segue os princípios montessorianos antes de se casar.

Em entrevista ao blog, a coordenadora pedagógica, Solange Rodella, nos contou como o método montessori é aplicado aos bebês.

Como o método montessori é aplicado para crianças de 0 a 2 anos na escola?

“Entendo que os dois pilares importantes para favorecer o desenvolvimento das crianças de 0 a 2 anos sejam: o ambiente e a postura do educador. O ambiente que disponibiliza materiais acessíveis para essa faixa etária que por si só, estabelece uma relação ensino/aprendizagem na medida em que, ao manuseá-lo de forma segura e organizada, a criança se apropria de alguns conceitos concretamente. E a postura do educador, que encoraja e favorece, sem facilitar, o encontro da criança com o aprendizado dos objetivos estabelecendo propostas que vão ao encontro das necessidades de cada um. Desta forma, a criança vai-se inserindo pouco a pouco no ambiente com segurança e pronta às suas primeiras e importantes conquistas”.

 Qual a diferença de ensino para os bebês dessa idade que estão numa escola tradicional para os que estão numa escola montessori?

Exatamente os dois pilares acima: o ambiente e postura do educador que na escola montessoriana, privilegia a transmissão do conteúdo pelas mãos da criança, através de experiências, diferente do tradicional em que o professor detém o conhecimento e o transmite”.

Quando os pais podem começar a perceber que a metodologia aplicada na escola está sendo levada para o dia-a-dia do aluno?

Existem hoje várias linhas pedagógicas na educação. Portanto, cada família deve buscar uma escola em que haja identificação com suas crenças e valores. Desta forma, não haverá um confronto na atuação da criança nos dois ambientes pois, a escola sozinha, terá muita dificuldade de internalizar alguns conceitos importantes se estes se diferirem muito com os de casa. Um bom exemplo disso é o quesito organização, pois na escola a criança guarda o material no mesmo lugar que pegou para deixar o espaço harmonioso ainda que neste primeiro momento, seja o adulto a dar o modelo. Caso no ambiente familiar, as coisas não estiverem preservadas no mesmo espaço, a criança terá dificuldades em manter a mesma postura cobrada na escola”.

Se os pais decidirem trocar a criança do montessori para uma tradicional, como será essa mudança de ensino? Pode haver prejuízos ao aluno?

Por colocarmos o aluno no centro da aprendizagem buscando nesta primeira infância acolher e favorecê-lo em todos os aspectos de maneira individual, os créditos construídos serão extremamente eficazes em qualquer tipo de exigência futura. Só haverá uma dificuldade maior caso a mudança seja para uma escola de padrões muito rígidos em que não haja espaço para questionamento, já que a nossa escola favorece as discussões e reflexões das crianças no dia-a-dia”.

Como estender os ensinamentos montessorianos da escola aos alunos em casa?

Aproximando-se das orientações oferecidas pela escola e fazendo uso da base da filosofia montessoriana, valorizando as experiências da criança em detrimento das do adulto. É necessário o entendimento de que a criança adquire conhecimento agindo. Deve-se haver uma gradação dos desafios oferecidos para a criança, pois é imprescindível a preocupação com sua auto-estima e, seu sucesso está atrelado às intervenções sensatas do adulto (não facilitando e tampouco exigindo posturas ainda não pertinentes para a faixa etária). É importante considerar o ritmo que cada criança leva para alcançar a aprendizagem e o adulto deve favorecer esse processo sempre com novas e diferentes ações para que haja a superação das dificuldades apresentadas. Conhecer o potencial individual da criança é imprescindível para essa atuação mais eficaz, pois cada um tem facilidades e dificuldades nas variadas áreas do conhecimento (precisamos enaltecer as facilidades e encontrar caminhos para diminuir as dificuldades).

Qual a principal diferença do método montessori para o tradicional?

“Como já relatei ambiente, materiais, postura do educador e, principalmente, filosofia com ênfase na autonomia, baseada em liberdade com limites e respeito pelo desenvolvimento natural das habilidades físicas, sociais e psicológicas da criança”.

Espero que tenham gostado do texto. Deixe abaixo seu comentário para trocarmos experiências. Um beijo e até a próxima!! 🙂

Quer saber mais sobre método montessori?

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente mais conteúdos sobre este tema!

Facebook Comments

2 Comentários

Deixe uma resposta